Perguntas e Respostas sobre o Buddha

Quem foi o Buddha?

Siddhartha Gautama, o Buddha histórico, viveu no norte da Índia por volta dos séculos VI-V a.C. Depois de renunciar à sua riqueza para buscar o fim do sofrimento, ele meditou durante muitos anos e finalmente atingiu a iluminação ou despertar. A partir de então, ele passou a ser conhecido como o Buddha — o Desperto, o Iluminado — e se dedicou ao ensinamento do caminho que conduz ao despertar. No fim de sua vida, o Buddha entrou em parinirvana, a liberação final, a paz suprema.

--------------------------------------------------------------------------------

O Buddha era gordo?

Não. O Buddha histórico era um monge que se alimentava apenas uma vez por dia e passava boa parte do seu tempo caminhando, indo a diversos lugares para ensinar e meditar. Já a figura corpulenta, popularmente conhecida como o "Buddha da Felicidade" ou "Buddha Sorridente", na verdade refere-se a um monge buddhista chinês que viveu muitos séculos depois do Buddha histórico.

--------------------------------------------------------------------------------

O Buddha era um deus todo-poderoso?

Muitos hindus consideram o Buddha como um avatar (emanação) de uma divindade chamada Vishnu. Entretanto, o Buddha nunca afirmou ser um "deus", "filho de deus" ou algum "profeta enviado de deus". Sua sabedoria era onisciente, mas nunca afirmou ser onipotente. O Buddha foi um ser humano como todos nós, e todos nós temos o potencial de atingir a iluminação.

--------------------------------------------------------------------------------

O Buddha era um salvador?

O Buddha não se apresentou como um salvador, nem exigiu que seus seguidores o servissem ou o adorassem para conseguirem a salvação. Ele também nunca os chantageou com a ameaça de deixá-los cair no inferno. Ao invés disso, o Buddha foi um mestre extremamente compassivo com seus discípulos. Seus ensinamentos valorizam a sabedoria e a compaixão como caminho para o despertar. No buddhismo, a liberação não dependende necessariamente da fé ou de orações, mas sim da nossa prática da virtude e da sabedoria.


Fonte: Dhamanet